texto abaixo do cabeçalho


30 de abr de 2010

DAR ESPAÇO AO NOVO É ARTETERAPÊUTICO

Proporcionar encontros para romper barreiras, reconhecer sentimentos que fazem empacar, dar um espaço para o lúdico... Parece complicado? Mas é como rir e coçar... basta começar! Dar tempo para as relações humanas, enriquece e no compartilhar com os demais, novas portas se abrem. Há tantos caminhos a seguir que podemos ficar confusos. Uma coisa de cada vez.
A sala pode ter um novo nome? Que tal sala para o encontro e a criação? Dar lugar para a criatividade é iniciar um movimento, que também é cerebral.
A idéia pode ocorrer aos poucos. Encheu o próprio “winchester”? Está provado que uma noite do sono ajuda a organizar e o sonho pode trazer soluções.
Mas é preciso coragem para romper paradigmas. É preciso querer compreender os sentimentos que circulam em nós e nos outros, universais: mágoa, raiva, a inveja, medo, prazer, tesão, alegria, amor. E mesmo assim, percebermos a singularidade. Acredite nas diferenças, ali está o belo.
Os seres humanos são criativos em potencial. Deixar de lado a visão pessoal e o olhar de superiores, é fácil? Estamos repletos de imagens de pais, religiosos, professores, parentes: limitadores a impor idéias e comportamentos. Limites são importantes, mas não podem ser bloqueadores da criação.
Liberar sentimentos faz com que se penetre também no coletivo: o movimento não é só em mim. Deixar a idéia criativa fluir é permitir-se coser uma bela colcha de retalhos – a vida não é feita de pequenos fragmentos? Faça com isto, seu novo design.
Para criar, gastamos energias que dão bem-estar. São as endorfinas a fazerem seu papel. E até tiram a dor! Descarregar tensões alavanca o processo criativo, porque esvazia o que antes era ocupado por sentimentos desorganizados. Espaço vazio, potência renovada. Idéias, trocas, leituras e incubação... é caminho para fiat lux!
*
Imagem do Frigorífico Z.D.Costi & Cia. Ltda. - acesso ao escritório - 2000 - arte gráfica Marilice Costi

24 de abr de 2010

DAS (in)SANAS VOZES

Todas as mulheres são lindas, disse um sedutor, especialmente as quais me apaixonei. Serão sempre lindas...
Também afirmou que palavras eram meras palavras, iam e vinham e eu não tinha que dar tanto valor. O esbravejar, o expulsar, o  desvalorizar. Iguais ao construir, ao desejar, ao compartilhar, ao dar/ter prazer?
Palavras? respondi, há que ter cuidado com elas, porque contêm também nitroglicerina.
E foi assim que aquele amor terminou: o amor de atilho, o gatilho na voz.
Se meu interior sabia... por que não me contou?

Em tempos de internet, tão simples dizer maravilhas, tão simples deletar afetos, tão simples envolver e abandonar... As distâncias, as conexões instáveis, os cabos de aço que são fios dentais. O esforço em experimentos sem considerações finais. O aberto, o volátil, a fumaça. O medo na incerteza do amar.
Palavras? meu interior, meu ar, meu trabalho, minha sobrevivência, meu alimento. O respeito à construção nos outros e em mim.

Não tenho tempo de vida para guerras.

As verdades, as profundidades. O afeto? O real. O corpo e a alma.
Explosões? só se forem de amor.

Marilice Costi
*
*

16 de abr de 2010

DOS HOMENS "NÃO ENCRENCA"

Fui olhar o link da psicóloga que lista os tipos de homem que são 'encrenca': os sarados, os superiores, os narcisistas... Pensei se, em meus caminhos, algum dos enganos de amor me encaixasse ali.
Faltam na lista os homens que se bastam, que acham que são capazes de se bastarem. Não existe ninguém capaz de se bastar. O ser humano é coletivo per si. Dar colo e receber colo faz parte da riqueza da vida. Das humanidades.
Há outras encrencas que ela não cita... Os homens que só tem disponibilidade para namorar se não for no final de semana. Desconfie. Eles já estão ocupados com outra.
Os que não são capazes de compartilhar sua dor e de aceitar o cuidado de alguém... (a solidão nem sempre é boa companheira)  e que preferem a mesa de um bar a se mostrarem frágeis para uma mulher. Talvez nem saibam se cuidar. Talvez não saibam cuidar de alguém. O bastar-se pode ter a ver com o sentir-se diminuido diante de fracassos. Mas não deveria dar a sensação de menos-valia. Isto é coisa da sociedade doente que vivemos. Que o sucesso e o poder valem mais que os vínculos de afeto. E nem todos os fracasssos são por falta de empenho pessoal.
Homens que trocam sua mulher pela sua mãe? A falta de partilha, a falta de diálogo. A falta de cumplicidade? Ninguém deve competir com a mãe dele. Ela é surreal, está num patamar inalcansável. Por isso, observar como ele se relaciona com ela é fundamental. Ele tem que ter perdoado as falhas que ela cometeu, tem que entendê-la como um ser humano, tem que saber dar limites quando ela invade sua vida, tem que ter uma relação de respeito e de aprendizagem no convívio com ela, ser ponte entre sua mulher e ela, nunca um precipício. Não se importar com coisas miúdas. Ter confiança. Amor de mãe é eterno porque filhos são para sempre. A isso se pode chamar maturidade.
E há outros mais: os que gritam coisas parecendo que atrás de nós, mulheres, há um gigante. E só temos a sombra. Talvez não queiram a nossa sombra. Talvez eles briguem com a nossa sombra. Ou não queiram ver a sua.
Homens que não são encrenca? Pois é, estou indo contra uma matéria que recém saiu na O CUIDADOR. Raízes do cuidado.
Cuidado com o movimento de mostrar sempre os defeitos. Por que não se escreve sobre o valor deles? O dos homens "não encrenca"?
Mea culpa. Prometo escrever sobre isso.

Marilice Costi
Agradeço o artista plástico Dilamar Santos pelo link. Valeu!

14 de abr de 2010

ARTETERAPIA - cuidando com arte

TVCOM - Tânia Carvalho entrevista Marilice Costi
acesse no YOUTUBE

Solicite informações: eventos@sanaarte.com.br - 51 30287667

12 de abr de 2010

Oficina para profissionais: O PODER TERAPÊUTICO DA PALAVRA

Objetivo: desenvolver potenciais e compreender o poder da palavra no processo terapêutico. Relatos de experiência. A literatura disparadora. Experiências pessoais na escrita e na construção da literatura.

Publico alvo: arteterapeutas, arteeducadores, pedagogos, psicopedagogos, psicólogos.

Início: maio - doze encontros. Dia e hora a confirmar.

Reservas mediante inscrição e matrícula: 51 30287667