texto abaixo do cabeçalho


21 de abr de 2017

Memórias de Marilice - DIA DE TOMAR SOPA

Arquivo da Família Costi

As noites em Passo Fundo nesta época do ano eram frias. Papai voltava do trabalho e já era noite. O vento corria pelas coxilhas prenunciando a próxima estação, a dos dias gelados. Todos já teriam tomado seu banho, vestido pijama e um robe para se aquecer, meias e chinelos.

Eu, a postos, aguardaria que papai me pedisse para lhe alcançar os chinelos. Ele não me tocaria sem antes lavar suas mãos e me dizer que lavasse as minhas. Depois, dava um toque no meu rosto com leveza e ia conferir as portas da casa. Então pediria para que Alice lhe alcançasse os pijamas e iria para o banho. Faria a barba se valesse o investimento na noite.


Quando ele se dirigisse ao rádio para ligar na Guaíba e ouvir as notícias, Mamãe diria:
- Hora de por à mesa! - e conferindo se nada estava faltando, diria baixinho: Teu pai gosta de sopa quando a noite é fria. Veja na cozinha se o pão já está quentinho e avise que já podem servir.


E todos nos encontrávamos naquela mesa, primeiro com a oração, lembrando também dos ausentes, enquanto a sopa pronta a fumegar fazia o caminho. Então, primeiro papai era servido e nós aguardávamos a ordem seguinte na passagem dos pratos conforme a hierarquia, sempre antes de Mamãe.


Tempo de futuros e de mais certezas.




Memórias de Marilice Costi, 21/04/2017

Nenhum comentário: