texto abaixo do cabeçalho


19 de dez de 2010

Pé no chão e pá de cal

Conseguiria falar nele sem doer-lhe as entranhas, olhar para o que sentira por aquele homem sedutor e abandonador e dizer a si mesma, pá de cal? Ela lembrou o livro dos homens que não sabem amar. Tanto dele ali, capítulos e capítulos. O tudo e o nada. O sim e o não. O sair de perto quando o momento era de contrato. O enfiar a cara no uísque para esquecer a dor. O estar eufórico e viver a vida como se não tivesse amanhã. O não compromissar-se.
O lago em frente, plácido, a tarde quente, o lanche que sobrou que levaria para jantar com a nova mulher. A paisagem era como a necessidade deles, que a vida tranquilizasse o coração. Ele falou, falou e falou. Tantas intimidades. Sentimentos atuais, a preocupação com o futuro. Novidades vindas daquele senhor de meia idade, que parecia um guri ao sorrir.  Ela ouviu, ouviu e ouviu. Entre eles, o sentimento de sempre e inexplicável.
Quase no final da conversa, ele disse que para o homem era suficiente ter em quem escarrar. Mas que o sexo para a mulher era diferente. Ela quis ponderar, mas ele insistiu. Ela pensou, não vale a pena perder tempo com isso.
Na despedida, o abraço foi caloroso, mas descolaram-se rapidamente (seria o  medo de tocar interiores?). Foi breve o afastamento e logo um outro abraço, como que a conter aqueles corpos num só. Coisa de segundos. E de novo, o inexplicável.
Nela, a lembrança do perfume que ele tinha entre as pernas e o prazer de esfregar-se como uma gata ao cheirar seus genitais. Adocicadamente seco. O Capim Cheiroso que ele lhe dera há décadas, ali. E nele? Jamais saberia. Passariam quantas décadas para talvez saber?
Nesse dia, ela acreditou no que ele dissera, mais do que em todo o tempo de parceria que haviam tido há muitos meses.  O tudo e o nada num ínfimo contato. O antes se esvaindo nos corpos lado a lado sem ponto de fuga na linha do horizonte. Então ela leu nas entrelinhas.
Ele encontrara a sua mulher ideal. Agora tinha onde escarrar.

Marilice Costi - miniconto - 18 dez 2010.

12 de dez de 2010

DAS ENCRENCAS 2

Horrivel de ler aquela resposta no meio do texto do e-mail que enviei... A escrita curta. A falta de tempo. Quando enxugo minha escrita, nem sempre as pessoas entendem. Quando me alongo, reclamam. Síntese é
o masculino. Então, mais homens deveriam ser  poetas? A lógica. A filosofia...isto logo aquilo... Seria bom se a vida realmente fosse assim racional. Quando afirmo que talvez devesse ser mais masculina, é disto que falo: da comunicação direta, sem metáforas, sem surpresas. Apenas a frase: não quero mais você. Sem explicações ou delongas. Limpa como "acabou".

A vida é isto? Fulano ama siclano, que ama fulana, que ama beltrano, que gosta de siclano. Todos sozinhos e sem problemas de relacionamento. Vale? A vida tem sentido quando se tem paixão, pode ser por um poste, mas se tem. E quando se pode sentir saudade "de matar" e matá-la.

Ser feliz, é simples. Coisas pequenas e delicadas, momentos intensos, de tempo pouco. Segurança de afeto. Colo. Ganhar é bom. Estimula o dar. Qualquer coisa: um beijo, um olhar, um abraço, uma flor, um pps, um orgasmo. A ordem importa? Sempre primeiro e último, o abraço.

Memórias... Coisas valiosas que dão energia para os momentos de dor. Não é a dor que nos torna fortes, é o sair dela e olhar o que passou. Sentir que sobreviveu a hecatombes. É autoperceber-se forte também ao olhar do outro. Mesmo que não nos sintamos assim.

Amor é coisa grande e perder dói.
Matamos pedaços de nossa vida pensando em um amor que não vingou? Não se morre disso.

Privilégios: lucidez, alimento, casa, afetividade, amigos, criatividade. Tudo vale a pena se a alma não é pequena. - clichê. Tudo vale? Como é bom sentir a alma gorda! De poesia que é a alma da sociedade. Bendita seja ela! A alma. Que seja obesa de alegria! O corpo... o corpo... o corpo... a alma... a alma... a alma... o corpo! Interdependências...
E deixa pra lá! O corpo? Nosso veículo de transporte.
Em e-mails sem voz, sem corpo, sem consistência, se nos entremeios não há entrega, a comunicação é de alto risco. Porque projetar no texto do outro aquilo que sentimos é comum. Muito comum.
Quem não se dá conta, se trumbica.

8 de dez de 2010

Nietzsche, Barthes e Adelia Prado

"Dizia ele [Nietzsche]: 'Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria capaz de conversar com prazer com esta pessoa até a sua velhice? Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar'. Sherazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme O império dos sentidos. Por isso, quando o sexo já estava morto na cama, e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava com uma boa conversa, conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites. O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fossem música. A música dos sons ou da palavra - é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer. Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: 'Eu te amo, eu te amo...'


Barthes advertia: 'Passada a primeira confissão, eu te amo não quer dizer mais nada'. É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética. Recordo a sabedoria de Adélia Prado: 'Erótica é a alma.'

(desconheço o autor)

6 de dez de 2010

DEPOIS DAS CINZAS

Quando eu morrer, quero uma varredura nas minhas fotos. Queimar todas as que eu estiver séria. Sou da alegria... A dor fica sob do travesseiro ou no entremeio do dicionário.